Pages

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Flor de Pipoca - Rascunhos

CENA I


Pipoqueiro entrando da plateia, vendendo pipocas até chegar ao palco.

PIPOQUEIRO - Bim, bom, bim, bom ! Vejam a Pipoca fresquinha! Pipoca estourada na hora! Pipoca é salgada, pipoca é doce. Pipoquinha estourada, atração de hoje!

Vai oferecendo a pessoas imaginárias que passam pelo palco.

PIPOQUEIRO - Pipoca, senhora? Ah! Não, tem alergia? Pipoca, menino? Ah! Já sei, não recebeu mesada este mês né! Pipoca, moça? Ih, já tem marido. Pipoca, senhor? Ah! Esqueceu a dentadura em casa...

Silêncio.

PIPOQUEIRO - Ê vida ingrata de pipoqueiro! O negócio só dá certo quando tem circo, parquinho ou sessão de cinema na cidade. De resto, ninguém dá moral pra pipoca. E olha que pipoca é gostoso, é bom e não engorda! Pois é, saiba quem não sabe que: um saquinho meu de pipoca tem menos sessenta calorias, tem um pouquinho de ferro pra não dar ferrugem nos ossos, e tem uma penca de vitaminas. Vitamina A.... é, A... e vitamina A mesmo porque é mais importante e é a primeira letra do alfabeto! Mas o mais importante, é que é feita na hora. Estourada no óleo mais chique da venda, do milho mais fresquinho colhido direto da fazenda. Qualidade assim você só encontra aqui.

Olhando a platéia.

PIPOQUEIRO - Tá, ninguém quer pipoca? Acabaram de almoçar/jantar, né? Tudo bem. Vou dar uma volta e depois que pintar aquela fominha, eu volto para o bem da nação.

Sai. Vem entrando a JARDINEIRA da mesma forma que o Pipoqueiro, vendendo flores até chegar ao palco.

JARDINEIRA - Flor? Flores? Tenho tudo quanto é flor em todo tipo de cor! Tem flor amarela pra menina magrela! Tem flor rosa pra moça cheirosa. Tem cravo grande pra homem elegante. Tem margarida pra senhora querida! Eu tenho tulipa, lírio, crisântemo pra todas as ocasiões. Tem flor pra dia do namorado, pro dia das mães, pro dia dos pais, pro natal, tem até pra velório! Faço buquê de casamento, colar pra carnaval e pra qualquer evento do ano! Ah! Tenho até cacto pra dar pra sogra enchirida!

Silêncio.

JARDINEIRA - Ninguém quer flor é? Flor pra enfeitar a casa! Flor pra por no cabelo! Flor pra conquistar paquera! Nenhumazinha? Poxa vida, tá um saco vender flor hoje em dia. Nos ultimos dias, só vendi flor pra oferenda de macumba ou espantar ziquizira. Credo! Creio em Deus-Pai! Mas é negócio né? Fazer o que. É tão romântico dar flores pra alguém. Eu mesma faz tempo que não ganho flores. Quer comprar uma flor, moço? Pode dar pra mim mesma, vou adorar receber flores. Ai que bobagem, né florzinhas queridas. Bons tempos aqueles em que coisas simples significavam muito. Em que flor era sinal de amor, amizade ou até luto. Hoje nem tem mais disso. Até tem, mas tem aquelas de plástico fedidas e que pegam poeira, e elas entraram nos seus lugares. Mas não desanimem, minhas queridas. Logo logo eu arranjo um lar pra vocês!

Fica vendendo flores, o Pipoqueiro volta vendendo também. Vê a Jardineira, hesita, fica em silêncio observando. Vai até ela.

PIPOQUEIRO - Ei, ei, ei, ei! Que que a senhora pensa que tá fazendo?

JARDINEIRA - Quer flor, moço? Tenho tudo quanto é flor em todo tipo de cor!

PIPOQUEIRO - Por acaso você ainda não percebeu que esse lugar já tem dodo?





JARDINEIRA - Tem flor amarela pra menina magrela! Tem flor rosa pra moça cheirosa. Tem cravo grande pra homem elegante. Tem margarida pra senhora querida! Eu tenho tulipa, lírio, crisântemo pra todas as ocasiões.

O Pipoqueiro fica questionando e ela tentando vender flores.

PIPOQUEIRO - Alôô, eu to te avisando que esse lugar aqui já é meu e não tenho...

JARDINEIRA - Ah! Não tem dinheiro? Não faz mal, fica com essa aqui que eu fico com uma pipoca.

Dá uma flor a ele, pega um saco de pipoca e vai indo. Volta.

JARDINEIRA - Pipoca murcha? Tome esta outra flor.

Vai indo. Pipoqueiro indignado.

PIPOQUEIRO - Mas que senhora abusada! Além de estar vendendo num ponto que já é meu, paga uma pipoca com uma flor murcha!

JARDINEIRA - Pois claro. Dei uma flor minha a altura da sua pipoca.

PIPOQUEIRO - Como é que é? Ta dizendo que minhas pipocas são murchas, senhora?

JARDINEIRA - Ah! São pipocas? Achei que eram chicletes, tão dificil de mascar.

PIPOQUEIRO - Ah! E isso aqui que a senhora me deu, tá mais caída que peito de índia!

JARDINEIRA - E o que falar da "dureza" de umas pipocas suas? Estão tão duras que parece que eu to comendo giz!

PIPOQUEIRO - E essa flor murcha aqui? Que tá mais mole que... uma coisa que não vou falar.

JARDINEIRA - Pois fique calado se não tem mais argumento.

PIPOQUEIRO - Não falo porque tem mais gente aqui.

JARDINEIRA - Pois cochiche!

No ouvido dela.

PIPOQUEIRO - Pois bem! Esta flor aqui, está mais mole que até parece...

A Jardineira arregala os olhos e dá tapa na cara do Pipoqueiro.

JARDINEIRA - Mal-educado!

PIPOQUEIRO - Mas foi você que insistiu!

JARDINEIRA - Porém, que eu saiba, um cavalheiro que se preze sabe moderar suas palavras diante de uma dama.

PIPOQUEIRO - Dama?! Só se for a rainha da sucata.

JARDINEIRA - Da sucata bem servida! Seu fanfarrão de meia-tigela!

Joga no chão o saco de pipocas  que estava comendo.

PIPOQUEIRO - Sua florista de araque!

Joga a flor no chão também.

JARDINEIRA - Seu pipoqueiro farsante!

Dá um pisão no saco jogado no chão.

PIPOQUEIRO - Sua era-venenosa!

Pisa na flor com os dois pés, pula e amassa bem.

JARDINEIRA - Seu grosso!

Derruba muitos sacos de pipoca no chão.

PIPOQUEIRO - Sua abusada!

Pega um monte de flores, despedaça elas nas mãos, joga no chão e pisa e pula em cima. Jardineira fica incoformada e triste.

JARDINEIRA - Pare, seu besta! Minhas flores!

Ironizando.

PIPOQUEIRO - Oh! Minhas pipocas!

JARDINEIRA - Minhas florezinhas, coitadas! Criadas com tanta atenção.

PIPOQUEIRO - Oh! Minhas pipocas, estouradas com tanta emoção...

JARDINEIRA - Para, seu grosso! Você sabe quanto tempo eu levo para cuidar dessas flores? Quanto tempo eu espero para poder colhê-las? Quanto tempo eu levo para poder vendê-las? E quanto tempo eu gastanto tentando vender ao menos UMA delas?

PIPOQUEIRO - Não.

JARDINEIRA - Então fique quieto! Porque por hoje, você já fez estrago demais.

Recolhe as flores e sai. Pipoqueiro decepcionado. Luz some.

Um comentário:

adocica disse...

Gostei, muito bem escrito.
Por mais estranho que seja, me identifiquei com a jardineira :~