Pages

quinta-feira, 1 de maio de 2008

A loja de canecas

Bia era uma pobre coitada. Nascera sem qualquer vestígio de imaginação. Desde pequena tinha grandes dificuldades de imaginar qualquer coisa. Seu mundo sempre se limitou ao que é real e tocável. Sonhos? Imagine, ela nunca os teve. De noite, era como se repetisse os dias em sua cabecinha. Ela revivia tudo de novo. Tudo porque não conseguia imaginar.
A professora da escola não se conformava.
- Como pode esta menina tão inteligente não conseguir imaginar nada!
Bia era a única criança que não conhecia a Chapéuzinho Vermelho, que não fazia idéia de como era a Branca de Neve. Por um lado, ela nunca teve medo de fantasma, nem do bicho-papão e muito menos do lobisomem. Por quê? Porque ela nunca imaginou, oras.
Mas, certo dia, as coisas estavam para mudar! Como todas as coisas sempre mudam em nossas vidas, na de Bia não poderia ser diferente. Num feriado passeando com a Tia Laura, elas entraram numa vistoza loja de canecas de porcelana. Cada caneca linda! Algumas desenhadas, outras numa cor só.
- Não toque em nada lá dentro, Bia. As canecas são muito delicadas e caríssimas! Se quebrar qualquer uma, terá que pagar por todas! - alertou Tia Laura.
É claro que era mentira. Se quebrasse uma caneca, Bia teria que pagar apenas uma. Não todas. E outra, Bia tinha uma boa educação e, mesmo não tendo imaginação, sabia das coisas. Foi num corredor cheio de canecas antigas que ela entrou e foi passando olhando uma a uma. E uma pequenina caneca de porcelana branca, toda desenhada com estrelinhas que Bia parou e ficou observando. Observando. Observando. Até que... ops! Mas, vejam só, que do meio das estrelinhas surge uma lua! Mas como? Bia franziu a testa e duvidou por alguns segundos. Piscou os olhos. Passou a mão neles e voltou a olhar bem a caneca. A lua havia sumido. "Coisa da minha cabeça." E prosseguiu sua observação. Parou numa outra. Grande. Com várias nuvens desenhadas. E dalí, bem lá no fundo, uma pontada laranja é vista. E olha o sol! E Bia repetiu novamente os gestos. "Mas, que coisa! O que está acontecendo?" pensava Bia. Nunca tivera estas sensações.
E foi passeando por aquele corredor e olhando em cada caneca, que Bia foi descobrindo e vendo uma coisa nova. Numa, ela viu uma estrela cadente. Noutra, uma princesa durmindo. Naquela mais a frente diz ter avistado uma menina usando um capuz escarlate. E no passeio de sua mente, Bia foi descobrindo cada personagem e cada elemento que nunca imaginara.
- Que coisa! Parece até que estou voando!
Porfim, Bia tomou o braço de sua tia e foi correndo mostrar o sol, a lua, as meninas, as princesas.
- Veja, tia Laura! Não é lindo?
E a tia Laura tentou ver qualquer coisa. Mas, nada via.
- Sim, são lindas canecas Bias. Mas, titia já disse: são caríssimas. Vamos deixá-las aí e ir embora, antes que comece a chover.
E saíram da loja. Bia, satisfeita, agora voltava pra casa da tia pulando de nuvem e nuvem.
Mas, que coisa. Quem diria, hem, Bia? E nunca mais, a professora reclamou.

4 comentários:

Gueixa® & Samurai® disse...

Uma ótima semana apra ti.

gigi disse...

OIA SÓ TAVA INSPIRADO HEIN....
É ESSE MUNDO DE FANTASIA E BELEZA QUE TODOS NOS PROCURAMOS.....
O ENCANTO EM CADA PEQUENA COISA...
BJO

Fabi disse...

Pra pensar, como a felicidade é simples...
Coisas pequenas, aos olhos dos outros, nos fazem sair assim... pulando de nuvem em nuvem!

Beijos!

Srta. Fontenele disse...

A minha imaginação muito bem povoada...
As crianças tem esse dom de criar, mesmo sem informação... está tudo ali basta um momento para que tudo seja posto pra fora que o seu verdadeiro lugar!!!
Otimo final de semana Pra vc...