Pages

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Baralho

(Abrem-se as cortinas.Uma mesa ao canto num foco de luz de branca. Um alguém embaralhando cartas e fumando.)

Me chamam de louco; louco. Os olhos cruzam tortos em minha direção reparando os detalhes dos panos que eu uso. Eu consigo perceber que há um estranhamento no olhar de cada de um; os padrões foram quebrados. Existem sim, os conservadores, mas o que está fora do convencional ainda assusta.

(Corta o baralho e divide cartas sobre a mesa pra jogadores invisíveis)

Porque o ás sempre tem que ser simbolizado por uma letra e não existe número um. Opa! Em algum o lugar não existe o número um. Então, não há vencedores e campeões e nem vices e lanterninhas. Ah! existe sim, o concreto algarismo um não dá suas caras no início do baralho mas, colocou sua prima vogal: A. Aquela que puxa a fila do alfabeto. Irmãos, fomos enganados.
O K (the King) pronunciou que não existiria o número um, no entanto, vimos o Ás! O aldacioso guerreiro que lidera todos os outros e destacando-se isoladamente, porque os outros são só números. Vejam: 2, 4, 6, 9, 10 e a família real. E não nos esquecemos por favor, do nosso honradíssimo coringa, ou bobo da corte como quiser.
Queiram as Q (Queens) fazerem o que quiserem, mas sempre os J's (Knaves) serão nada mais, nada menos que os valetes (patifes da monarquia).

No mais, o que se esperar de um CardPlayer nos tempos de hoje?

(Risada. Apaga o cigarro num cinzeiro e recolhe as cartas. Fecham-se as cortinas)

4 comentários:

Vaninha® disse...

Clap, clap, clap...

Gil Castilho disse...

texto tá meeega bem escrito, como todos os que você escreve.

baaargh, eu não sei mexer com nenhum jogo de cartas, nem com baralho. ._>

Flávia disse...

E se não existisse o um... tudo aos pares?

Muito bom o texto, moço.

Beijos :)

Patty disse...

Ótimo texto!
Um beijo


ps: respondendo a tua pergunta lá, o texto "pássaro sem asa" é meu.