Pages

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Oito e catorze

E de repente eu sentí um impulso pra correr até a porta, abrí-la e me deparar com um rosto - até então - desconhecido, que não importa quem seja, mas que seja alguém segurando uma caixa de bombons, um ramalhete ou até mesmo a chave do carro. Tomaria-me em seus braços e num apertado abraço falaria que estava morrendo de saudades. E no canto do olho direito a gotícula surge a dá um toque salgado no beijo. Hum! E em mais um par de segundos eu ouviria bem baixinho na sapatilha do ouvido: saudades! Os meus pêlos se arrepiariam, minha boca sorriria e minha alma vibraria.
E de repente a brisa do ventilador velho, comprado na lojinha de um-e-noventa-e-nove me despertou. Sentí fortes agulhadas no peito e a vontade foi de chorar, fazer promessa, voto de castidade ou cair na gandaia.
A senhora solidão ainda é minha vizinha. Mora alí do lado e vira e meche me lembra de que estou sozinho, de que apenas o sol e a lua são meus companheiros e que a relação mais íntima que eu tenho é com as minhas cuecas.
E de repente prefiro pensar que o melhor dos gozos virá por breve e a melhor solução pra tapar a cara da minha vizinha é trancar a janela com os cadeados risonhos.

E droga de repentes!

7 comentários:

Vaninha® disse...

Bonito isso!!!! Nãoq eur dizer que eu entendi..rsrssrs mas é bonito...
Bjs sumido.

Gil Castilho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Gil Castilho disse...

A solidão também tá sendo minha vizinha..mas até que eu não tenho ligado muito pra ela não.

E obrigado pela observação, mas é dramalhão mesmo. Apesar de serem irritantes, eu me acabo de rir com os dramas do povo, porque sempre são histórias absurdas :D
iohaioahoaa

;** xuxu

Vaninha® disse...

Amei a figura...to de endereço novo...www.vaniaregina.blogspot.com

Patty disse...

Na solidão a gente aprende um monte de coisas até que ela não é tão ruim assim desde que seja "controlada" e não imposta.

Beijo e obrigada pela visita!

Flávia disse...

Acho que a maior prova de que a solidão virou a maior companheira é justamente essa - abrir a porta e desejar ver um rosto, independente de quem seja o dono dele...

Beijos1

Zaf disse...

Hey! Nice! ^^
É bem assim que me sinto às vezes. Sabe quando se está cercado mas se sente sozinho? Exatamente assim!
ÓTIMO post!
Abraço!

ZAF